10/03/2006

Entrevista Exclusiva


A cada dia descubro que tem muita gente interessante nesse mundo. Descubro também a importância de dar valor às coisas mais singelas.
Hoje, para um trabalho de faculdade, entrevistei o R.A (sei lá, achei que deveria preservar a identidade do cara) , 40 anos. Senhor bastante tímido. Talvez essa timidez tenha vindo de brinde com a humildade. Talvez nem tenha sido isso mesmo. Talvez aquela timidez tenha sido imposta pela sociedade que o engoliu e o escondeu. Mas esta mesma timidez não o permitiu que esta mesma sociedade o excluísse.

(A entrevista foi realizada no complexo da Lagoinha, rua Diamantina)

Pipa: Há quanto tempo o senhor mora neste bairro?
R: Moro aqui há 4 anos. Saí de Nova Era escondido. Minha mulher não sabe que estou aqui.

Pipa: Qual foi a coisa mais estranha que o senhor já viu acontecer aqui no bairro?
R.: Tem 4 anos que eu moro aqui, nunca vi nada não. Acho o bairro tranqüilo.

Pipa: O senhor já foi assaltado?
R.: Não, mas se fosse daria um tiro na cabeça do ladrão

Pipa: O senhor anda armado?
R. Tem que andar. Ainda mais quem trabalha à noite (risos). Não... estou brincando. Não ando armado não. Minha arma é Deus.

Pipa: Qual é a religião do senhor?
R.: Sou católico, mas freqüento igreja de crente.

Pipa: Em que o senhor trabalha?
R.: Sou flanelinha há 1 ano e meio. Mas já fiz de tudo. Catei papelão, latinha... Morei na rua. Quando cheguei aqui não tinha onde morar, aí eu dormia nas ruas mesmo. Depois fui pra um albergue. Hoje tomo conta dos carros e consigo pagar aluguel e minhas contas.

Pipa: O senhor votou nessas ultimas eleições? Quais são suas expectativas?
R.: Votei não. Vou lá no correio preencher aquele papelzinho, tem até janeiro pra fazer isso, né? Eu não gosto de votar não, só voto porque é obrigado. Mas espero ver outra pessoa no governo. Não se pode confiar em ninguém.

Pipa: O senhor tem filhos? O que o senhor ensinaria para eles?
R.: Tenho 3 filhos, mas eles moram com a mãe. Eu ensinaria a eles a educação. Educação é o mais importante pra eles serem pessoas do bem.

Pipa: O senhor estudou?
R.: Estudei até o 3º ano.

Pipa: O senhor tem sonhos?
R.: Tenho. Meu sonho é arrumar uma namorada preta de olhos verdes. Aí ela cuidaria de mim, ia lavar roupa, fazer comida, arrumar casa...

Pipa: Se o senhor tivesse a oportunidade de aparecer na TV e dizer alguma coisa pro Brasil todo te ouvir, o que seria?
R.: Acredite em Deus, não confie na política não. È tudo mentira. Acredite em Deus, em você e na sua mãe.

Pipa: O senhor é feliz?
R.: Sim, sou feliz e muito alegre. Não tenho motivos para ficar triste.

Pipa: Essa felicidade te faz acreditar em um mundo melhor?
R.: Mundo melhor? Não acredito nisso não. O mundo é esse mesmo, aqui e agora. Melhor não tem não, mas pior tem.

Ps: não estou conseguindo fazer upload de fotos. Alguém me ajuda???


3 comentários:

Cristina Cury disse...

È miguinha... a felecidade não é ter, mas sim ser, né!?
Fantástica entrevista, não poderia ter escolhido alguem melhor.
Ah, ainda bem que vc é entendida em tecnologias, senão iria te chamar de ..."meio desatualizada" por não conseguir baixar as imagens desejadas rsrsrs.
Bjs
Cris

Ricardo Moraleida disse...

ping pongs são sempre legais, mas eu não tenho o menor talento pra fazê-lo

Muito boa a pergunta sobre a felicidade e acreditar em um mundo melhor!

dá vontade de mostrar pro meu chefe e dizer: "ó, tem gente que faz isso muuuuito mió qui eu! contrata ela e me põe só pra supervisioná?" :)

Carol Vil disse...

MUITO BOM ESSE CABRA!
kkkkkkkk :)

"Nunca voto não. Só voto porque é obrigatório." kkkkk :)


Ps. As fotos às vezes dão pau mesmo. Paciência.