3/14/2007

Sapequices

Eu escrevo porque posso,
se não escrevo me dá um troço!
Escrevo porque não posso também,
mas poesia não mata,
nem fere ninguém.

Escrevo sobre o nada,
sobre o lixo,
sobre o homem,
e o bicho.

Mas escrever não é tudo
o que me resta.
Ninguém me paga,
e de graça,
até injeção na testa!

Mas eu escrevo porque gosto
deste ar de rebelde,
destas palavras que não convém.
Mas poesia de verdade,
só pra você, meu bem.

4 comentários:

Ana Carolina disse...

Aaaaaaaaaaaa!
Que belezura de texto!

A parte do nada, lixo, homem e bicho ficou super Manoel de Barros. Adoro!

:)))))))))

Ricardo Moraleida disse...

vc é cunhada mas até que é fofinha... rs... :o)

helen biso disse...

hum ta inspirada hein??????

=) nao escrevo porque nao seeeeeeeeeeeeeeeeei =( por isso toco...

helen biso disse...

eu aqui de novo rsrsrsrs =)

se der certo o lance da carol trazer, vc vai ser a primeira a tocar na flauta =))))

beijos fofilda